sábado, 31 de maio de 2014

FLORES DA CUNHA ANO 90


Flores da Cunha está de parabéns.
 Em seu aniversário recebe um grande importante doação dos documentos pessoais do prefeito Heitor Curra (1933-1941)  doados ao Arquivo Histórico do Município ,por sua filha a escritora  Lourdes Curra.São documentos que atestam a força do PRL no município e retratam um período histórico  pouco estudado ,que vai de 1923 a 1941,que abrange a Revolução de 30 e o Estado Novo. Creio que é a única documentação de um prefeito da região doada à Prefeitura que dirigiu.  Flores da Cunha faz aniversário e  a história( e os historiadores)  ganha um presente.

Para auxiliar os historiadores revelo parte da documentação  pessoal de Heitor Curra.


DOCUMENTOS DE HEITOR CURRA. 1899-1973

DOCUMENTOS OFICIAIS

1. Breve currículo funcional de 1920-1941. Assinado por Heitor Curra e datada de Caxias 26 de julho de 1941.
2. Certidão de nascimento  (cópia) descritiva de Heitor Curra, Arquivo Público do RGS.
 Datada de agosto de 1929. assinada pelo 3º oficial Grimoaldo Carvalho.

3. Sete (7) cópias da certidão de nascimento nº 53  de Heitor Curra, Flores da Cunha 2 de outubro de 1944  \assinatura ilegível. E uma cópia Xerox da referida certidão.

4. Caderneta de reservista  datada de 21 de agosto de 1920, São Paulo assinatura ilegível.
5. Cópia de certidão de casamento datada de 30 de dezembro de 1991.

6. Certificado de casamento data de 20 de outubro  de 1926.Assina V. Zamboni. (firma reconhecida em 1973)

7. Duas (2( cópias) da certidão de óbito (reconhecidas) Datada de 30 de maio de 1993). Assina Jesse Velásquez. Oficial

8. Carteira profissional datada de 5 de junho de 1939,Com apenas uma anotação. Sobre o cargo de contador provisionado.
9. Carteira da Ordem dos advogados do Brasil.  Inscrição na ordem dos advogados nº 67 , de 12 de outubro de 1932.Advogado não diplomado. Datada a carteira 4 de maio de 1933. Assinaturas ilegíveis. (  em anexo com compromisso e deveres  de reservista )
10. Título Eleitoral nº 724 de 17 de novembro de 1956.

11. Associado da Associação beneficente casa do Advogado ( ABECA)data 6 de janeiro de 1907
12. Registro  e porte de arma nº 5671 de 10 de janeiro de 1958, Assina J.Bermudes Ramis.
13. Certidão de Contador Provisionado datada de 13 de junho de 1932. Assinatura ilegível .Firmas reconhecidas
14. Menção Honrosa da Ordem dos advogados do Brasil(ABECA) Caxias do Sul, 11 de agosto de 1969. Assinam Antonio Azevedo e Regis A, Ferretti.

15. Certidão  do Supremo Tribunal do Estado  do RGS da inscrição de advogado pelo decreto nº20784, de 14 de setembro de 1931,estando habilitado a exercer a profissão.POA 18 de novembro de 1932.Ilegível a assinatura.


NOMEAÇÕES E EXONERAÇÕES

1. Tesoureiro da prefeitura Municipal  de Nova Trento 18 de março de 1925 a 30 de abril de 1927~
.
2. Nomeação para 1º suplente e juiz eleitoral .POA 20 de junho de 1929.Assina Eduardo Marques Diretor da Secretaria de Estado dos Negócios do Interior

3. Nomeação de 1º suplente e juiz eleitoral . Diretor da Secretaria de Estado dos Negócios do Interior. Nomeado em 20 de junho de 1929 e exonerado em 20 de junho de 1933\ com requerimento em anexo( para tempo de serviço)

4. Oficio encaminhando a portaria 3 278 de 22 de maio de 1934. para exercer de forma interina o cargo de delegado de polícia POA 24 de maio de 1934,

5. Exoneração á pedido do cargo de delegado em 10 de fevereiro de 1936. Assina José Carlos do Amaral. Secretario geral da polícia do RGS

6. Tempo de Prefeito de Nova Trento nomeado a 2 de março de 1933 e eleito em 17 de novembro de 1933. exonerado em 31 de janeiro de 1941.

7. Nomeação de escrivão do Cível e Crime  nomeado em  27 de janeiro de 1941,
8. Nomeado  Para a Junta de alistamento militar. Caxias Dante Marcucci em 20 de março de 1941.
9. Portaria  de bons antecedentes dada por ocasião da saída do juiz substituto José Cachapuz de Medeiros. Caxias do Sul  1º de agosto de 1949.
10. Portaria de aposentadoria  em 20 de outubro de 1970 assina Affonso Anschau pelo governo do RS
11 Duas vias ( 2) do discurso proferido por Heitor Curra em sua aposentadoria sem data.
12.Certidão negativa expedida pelo  Cartório de registros especial de Caxias, . Certidão negativa expedida pelo  Cartório de registros especial de 21 de julho de 1944,assina Julieta Guimarães
13. Certidão negativa expedida pelo  Cartório de registro Cível e crime de Caxias.de imóveis da 2ª  zona de Caxias  especial de 21 de julho de 1944. Assina Adão de Oliveira Bandeira.

14 Certidão negativa expedida pelo  Cartório de registro Cível e Crime de Fores da Cunha  21 de julho de 1944,assina Assina Flávio Castellano.14 de junho de 1944.

 15, Portaria º 15 concessão de férias pelo juiz Substituto de Caxias  José Cachapuz de Medeiros ,4 de fevereiro de 1944
16.Convocação para reunião  Do Conselho Municipal de Nova Trento14 de novembro de 1928 .Assina Luiz Soldatelli
17, Convocação para reunião  Do Conselho Municipal de Nova Trento19 de abril de 1929 .Assina Luiz Soldatelli
,18. Convocação para reunião  Do Conselho Municipal de Nova Trento2 de julho  de 1929 .Assina João Mambrini


DOCUMENTOS RELATIVOS A TERRAS.

1. Título de propriedade de Francesco Corso. Assina Julio de Castilhos datado de 31 de Janeiro de 1895.
 2. Título de propriedade de Anselmo Carpeggiani . Assina Julio de Castilhos datado de15 de Junho de  1897.

DOCUMENTOS RELATIVOS À PREFEITURA DE NOVA TRENTO/FLORES DA CUNHA

Cópia de ata com resultados das eleições para a Intendência de Nova Trento 4 de agosto de 1928assinam Anselmo Carpeggiani  presidente e Vergínio  Carletti Secretário.

Oficio de Aprovação das contas da Intendência Municipal de Nova Trento. Com elogios para o Tesoureiro Heitor Curra. Assina Joaquim Mascarello. Intendente

Ato de passagem do Prefeito Coronel para José Galian Blasco  Arthur Gomes Mariante   subprefeito. 3 de março de 1933. Assinam ambos. Nova Trento 26 de julho de 1927

 Oficio e cópia  com resultado de eleição para Conselheiro Municipal, 9 de agosto de 1928. Assina Anselmo Carpeggiani.

Cópia das ata de posse de Heitor Curra como prefeito  4 de março de 1933 assinam os 56  presentes e o secretário Francisco Menegat.
Cópia de manifestação de Nova Pádua  em favor do Prefeito Assina Francisco Menegat. 1934
Adesão de Francisco Menegat ao PRL oficia mandado ao Presidente do PRL em Nova Trento Heitor Curra. Nova Trento 13 de julho de 1935
Cópia do  Decreto de 21 de dezembro de 1935que substitui o nome  de Nova Trento para Flores da Cunha, Assina Heitor Curra prefeito.

Cópia da ata n 34 de 21 de dezembro de 1935 do conselho aprovando a mudança. Assina  Alcides Mascarello.

Ata nº 31 O Prefeito Heitor Curra  propõe  ao Conselho Municipal. novo nome para a cidade em 21 de dezembro de 1935.Assinam Alcides Mascarello  e outros

Cópia daaprovação das contas da Prefeitura de Flores da Cunha. 15 de junho de 1937.S/A

RECORTES DE JORNAIS SOBRE A PREFEITURA DE FLORES DA CUNHA

Jornal do Estado 5 de janeiro de 1942 p.7 com a aprovação de 30 de dezembro de 1941.  Das contas da Prefeitura de Flores da Cunha. pelo interventor Cordeiro de Farias

2 vias e um Xerox  do Jornal A Federação de 1º de janeiro de 1937, p, 23 com ampla reportagem sobre a administração de Curra.

Recorte do jornal Correio do Povo 24 de agosto de 1936, nas notas sociais de jantar em homenagem a Heitor Curra pelos engenheiros das  5 ª Divisão.

Recorte do jornal  Diário de Notícias  de 23 de setembro de 1936, com nota sobre a homenagem a Curra  de jantar em homenagem a Heitor Curra pelos engenheiros  da 5ª Divisão.

Recorte do jornal  Correio do Povo sem data da  de jantar em homenagem a Heitor Curra pelos engenheiros das  5 ª Divisão

DOCUMENTOS ESPARSOS
1.     Cópia de oficio  de consulta sobre vagas na Universidade Técnica do Rio Grande do Sul.
2.      Obrigações de Guerra duas  de 100 cruzeiros e uma  de 200 cruzeiros  .datadas de 5 de outubro de 1942,não resgatadas.
3.     Normas para alistamento eleitoral.s/d/ s/assinatura
4.     Atestado de óbito de Madre Maria José (Serafina Curra)  Garibaldi ,datado de 22 de maio de 1953.
5.      Carta Manuscrita da Irmã  Maria José ( irmã deHeitor Curra) para Rosina datada de 1º de março de 1919;
6.     Carta manuscrita da Irmã  Maria José ( irmã deHeitor Curra) para Luiza  datada de  5 de março de 1919.
7.     Formulário para inscrição eleitoral 1930.
8.     Poesia em dialeto datada de 21 de julho de 1901, sem autor chamada Amore e morte di Pierina.



 DOCUMENTOS PRL
DOCUMENTOS IMPRESSOS

1. Regulamento interno do Partido Republicano Liberal . Porto Alegre
Of. Graf. A Federação, 1933.p.25
2.  Partido Republicano Liberal Discurso pronunciado em 15 de Novembro de 1932, com Programa do PRL Porto Alegre: Of. Graf. de o” Jornal da Manhã” , 1932 ,p116
3. Livro até da Comissão Directora do Partido Republicano Liberal Nova Trento 50 p. apenas 2 atas ocupando 5 p.
PASTA ROSA SEM TÍTULO

1.               Cópia de Fonograma do Secretário do PRL para Heitor Curra prefeito de Flores da Cunha, sobre numero de eleitores do PRL.
2.               Adolfo Peña secretario do PRL solicita ao prefeito Heitor Curra. informações sobre eleitores POA.11 de novembro de 1936.
3.               Oficio circular do PRL de 15 de janeiro de 1936.
4.               Estudos da Viação Férrea do RGS para a construção do Ramal para Nova Trento
5.               Oficio informando  a Heitor Curra da desanexação de cartório  assina Flavio Castelano  S/D
6.               Oficio ao prefeito Heitor Curra da nomeação para o cargo de escrivão cível em 27 de janeiro de 1937. Assina Adão Manbrini
7.               Oficio de Miguel Muratore Membro do Diretório do PRL, para Heitor Curra. contra ação da descrente Frente Única,inimiga da Igreja, Caxias 24 de setembro de 1934.Assina o mesmo
8.               Oficio de Henrique Pereira Netto,datado de 2 de agosto de 1937 para Heitor Curra,mandando questionário
9.               Cópia de Ofício a Flores da Cunha indicando candidatos do PRL de Nova Trento 21 de setembro de 1935
10.             Cópia de telegrama de Pedro Vergara para Heitor Curra, sobre livro do PRL. data ilegível.
11.            Cópia de fonograma circular convocando Curra para congresso. 12 de maio de 1937 Assina Adolfo Peña
12.             Cópia oficio da direção do PRL de Nova Trento ao General Flores da cunha agradecendo aprovação do ramal. s/d/assina Alcides Mascarello e outros.
13.            Circular do PRL informando sobre mudanças no novo código eleitoral. POA 18 de junho de 1935 assina Henrique Pereira Neto.


PASTA DE OFÍCIOS E TELEGRAMAS DA COMISSÃO DIRETORA DO PRL

1. Cópia de indicação de João Mambrini para trabalho no jornal a Federação  de H. Curra para Celestino Prunes, Diretor de  A Federação .Flores da Cunha  Flores da Cunha 30 de Janeiro de 1936.
2. Cópia de Oficio ao general Flores da Cunha encaminhando moção de solidariedade ao governados e designação de delegados para o Congresso do PRL Curra e Ranzolin.s/d data provável 1935
3. Renúncia coletiva dos membros dão Centro Republicano Liberal de Nova Trento encaminhada a Arthur Gomes Mariante ,Prefeito Municipal de Nova Trento. data 30 de dezembro de 1932. Assina Alcides Garbin presidente.
4. Oficio aceitando a renúncia assinada por João Mambrini e encaminhada ao prefeito Mariante. Nova Trento 12 de janeiro de 1933.
5. Oficio de Curra para Mascarello (presidente da Ação Católica) pedindo que aliste os leitores do PRL, por ordem de Flores da Cunha. Nova Trento 7 de junho de 1934
6. Oficio do Grêmio Liberal Flores da Cunha de Garibaldi informando a Curra da sobre eleição do Grêmio. Garibaldi 11 de junho de 1934 assina João Julio Mendes Presidente e Alípio Porto Filho 1º secretário.
7. Oficio circular avisando da Curra da substituição do presidente estadual do PRL Darcy Azambuja sai e entra Pedro Vergara, Porto Alegre 17 de Agosto de 1934.
8. Oficio circular de Vergara avisando da realização de congresso do PRL a ser realizado em 7 de setembro na capital.POA 23 de agosto de 1934.
9. Copia de oficio comunicando que os delegados para o Congresso serão Curra e Francisco Mascarello. Nova Trento 3 de setembro de 1934
10 Fonograma de Vergara avisando de trapaça da frente Única. POA 12 de outubro de3 1934.
11. Cópia de oficio do Prefeito Curra ao gov. Flores da Cunha (em resposta ao seu fonograma) avisando que na Granja da Sociedade vinícola, foram distribuídas chapas colocando Moyses Velhinho. Nova Trento 22 de outubro de 1934
12. Oficio de Vergara ao Prefeito Curra pedindo para divulgar recorte do jornal A Federação órgão oficial do Estado no qual o governo teria resolvido o problema dos colonos produtores debanha. S?D provável 1934,
13. Oficio circular avisando da substituição de Vergara por Henrique Pereira Neto na presidência do PRL. POA 13 de novembro de 1934. Assina Pereira Neto 
14. Oficio Circular de Pereira Netto solicitando a composição da  comissões do PRL  em Nova Trento. POA 15 de janeiro de 1935.Assina Pereira Netto 
15. Oficio circular de Pereira Netto solicitando dados sobre eleitores. POA 2 de Março de 1935. Assina Pereira Netto 
16. . Oficio Circular de Pereira Neto avisando que enviara tantos títulos de eleitores que fossem precisos em Nova Trento. . Assina Pereira Netto 
17.Memorando de Alcides Mascarello avisando Curra de um presente surpresa.Creio que está ligado as eleições. 19 de julho de 1935. Assina Alcides Mascarello.
18. Carta de Olympio Daros se oferecendo para ajudar (novamente (O PRL. Nova Trento s/d.provável 1935
19. Cópia de oficio a flores da Cunha prestanto solidariedade a HEitor Curra, s/d Assina Mascarello,Ransolin e outro.
20. Questionário sem identificação.  Sobe situação do PRL
21. Circular para Curra do PRL oferendo apoio para as eleições POA Fevereiro de 1935 Assina Meirelles Leite.
22. Edital e cópia de ofício de Mascarello a Flores da Cunha agradecendo publicação pelo Diário Oficial do Edital de Concorrência pública para a construção da ferrovia para Flores da cunha oficio s/d
23. Circular do PRL para Curra com chapa dos candidatos as eleições de vereadores em Flores da Cunha,em 28 de setembro de 1935 assina J, das Costa Pereira
24. Exoneração de Curra  do cargo de delegado de polícia de Flores da Cunha. 7 de fevereiro de 1936. Importante  assina Flores da Cunha
25. Cópia de oficio para  o Gal. Flores da Cunha para aprovação de candidatos a vereadores.nova Trento 21 de setembro de 1935.
26. Cópia de ofício e ata de reunião do PRL em Flores da Cunha 21 de maio de 1937 27. Fonograma do Secretario geral do PRL avisando Curra que foi indicado a Candidato oficial do Partido. Data 26 de setembro de 1935.POA  Assina Jayme Costa Ferreira
27. Cópia do Fonograma do Secretario  geral do PRL avisando Curra que foi indicado a Candidato oficial do Partido.POA .Data 26 de setembro de 1935 Assina Jayme Costa Ferreira
28. Telegrama de Flores da Cunha a Heitor Curra agradecendo congratulações.data ilegível POA .Assina Flores da Cunha
29. Oficio circular do PRL avisando da necessidade de enviar lista tríplice com o nome de candidatos as próximas eleições.POA assina Henrique Pereira Neto.Data 15 de junho de 1935
 30. Cópia de Oficio de Curra para Flores da Cunha agradecendo indicação.Flores da Cunha Outubro de 1916.
31.Oficio do Clube Republicano Liberal de Nova Trento avisa nomes de delegados para o Congresso do partido.Data 5 de setembro de 1935Assinam Mascarello,Ranzolin e Victorio Biasuz.
 32. Copia de oficio do Clube Rep.Liberal de  Nova Trento para o presidente Gal.Flores da Cunha.Data 21 de setembro de 1935.
33. Oficio circular de Jayme da Costa Pereira avisando que assumiu o cargo de secretário estadual do PRL. POA 9de setembro de 1935. assina Jayme da Costa Pereira
34 Circular nº13 de Jayme da Costa Pereira solicitando designação de delegado do partido. POA 14 de outubro de 1935.assina Jayme da Costa Pereira.
35.  Oficio circular de Adolpho Peña informando que assumiu o cargo de secretario geral do PRL. POA ,4 de julho de 1935 .Assina  Adolpho Peña
36. Oficio circular de Adolpho Peña informando que foi nomeado por Flores da Cunha assumiu o cargo de secretario geral do PRL. POA ,6 de julho de 1935 .Assina  Adolpho Peña
37. Oficio circular de Adolpho Peña informando que foi nomeado por Flores da Cunha assumiu o cargo de secretario geral do PRL. POA ,6 de julho de 1935 .Assina  Adolpho Peña( duas vias)
38. Oficio de Adolpho Peña informando que não podem nomear professores públicos estaduais nem remover, que as vagas só podem ser conseguidas por concurso público.  POA 17 de dezembro de 1936. Assina  Adolpho Peña
39.  Oficio do secretário geral do PRL Henrique Pereira Neto informando sobre procedimentos para as eleições. POA. 31 de Julho de 1935 Assina Henrique Pereira Neto
40. Oficio do prefeito de São Jerônimo propondo a Curra o General Flores da Cunha para o governo do Estado. Em 21 de maio de 1934 assina José M. de Carvalho.
41. Oficio Circular nº13 do secretário geral do PRL Henrique Pereira Neto informando sobre procedimentos para as eleições. POA 12 de Junho de 1934 Assina Darcy Azambuja
42.. Informe 2046 do PRL avisando que indica é o interventor e que ninguém precisa dar palpite. POA 15 de abril de 1935. Assina João Carlos ilegível
43. Lista de presentes (rascunho sessão do PRL)S/D provável 1934
44. Circular impressa do Centro Republicano Liberal de Santa Maria indicado a duas diretorias .Santa Maria 14 de julho de 1934 assinam João Antonio Edler e Manoel Annes Sob.
45. Aviso de encaminhamento do material para as eleições, POA, Outubro de 1934 Secretario do PRL assina Pedro Vergara.
.46. Telegrama de Flores da Cunha pedindo apressar alistamento de eleitores. Data ilegível provável 1935
47. Telegrama nº 3233 de Flores da Cunha para Curra de congratulações pelo trabalho de Curra 18 de junho de 1934
48. Telegrama nº 4468 de Flores da Cunha para Curra avisando a qualificação de 553 correligionários. POA 24 de abril de 1934
49. Telegrama do dep. Federal  Pedro Vergara POA para Curra cobrando resposta. 5 de setembro de 1934.
50. Fonograma de Darcy Azambuja solicitando a indicação de três nomes para a assembleia constituinte 2 de abril de 1933.
51. Telegrama do secretário geral do PRL avisando ao Prefeito  que devem se 2 os delegados por município em seu congresso.POA 15 de maio de 1937.
52. Fonograma do PRL pedido apoio a Flores da Cunha por ter sido traído por colegas ( não diz o nome) na Assembleia Legislativa,POA 17 de 10 de 1936
53. Cópia de voto de solidariedade do Grêmio de Flores da Cunha ao Governador Flores da Cunha. Sem data .Data provável,Outubro de 1936
54. Fonograma Flores da Cunha aprova a candidatura de Curra à prefeitura de Flores da Cunha 26 de outubro de 1935. Assina Flores da Cunha.
55. Pedro Vergara em Fonograma informa Curra de erro do Tribunal Eleitoral,permitindo que eleitores de outras mesas fossem fiscais. POA 12 de outubro de 1934. Assina Pedro Vergara.
56. Fonograma pedindo presença urgente de Armindo Francisco Lunardi. POA 25 de outubro de 1934.POA. Assina João Carlos Machado.
57. Telegrama de Flores da Cunha para Olmiro de Azevedo e outros agradecendo apoio. POA, 29 de outubro de 1934. Assina Flores da Cunha.
58. Telegrama nº79 do Procurador Regional da Justiça Eleitoral pedindo do Prefeito informações sobre irregularidades nas mesas eleitorais Assina Salomão Pires Abrahão Data provável .POA. Outubro de 1934
59 Telegramas nº48 do Procurador Regional da Justiça Eleitoral pedindo do Prefeito informações sobre irregularidades nas mesas eleitorais Assina Salomão Pires Abrahão Data provável. POA. Outubro de 1934.
 60. Telegrama do deputado federal Pedro Vergara. Avisa sobre envio de chapas e outros materiais para a votação. Data provável. POA. Outubro de 1934. Assina Pedro Vergara.
61. telegrama de Flores da Cunha avisando que os do PRL devem votar em todas as chapas enviadas. Assina Flores da Cunha. Data provável. POA. Outubro de 1934
62. Telegrama do deputado federal Pedro Vergara informa sobre ordem de votar das chapas do. POA. Data provável Outubro de 1934. Assina Pedro Vergara.
63. Telegrama do deputado federal Pedro Vergara informa que o tribunal se enganou nas ordens anteriores.  .POA. Data provável Outubro de 1934. Assina Pedro Vergara.
64 Telegramas do deputado federal Pedro Vergara informa sobre ordem de votar das chapas do. POA. Data provável Outubro de 1934. Assina Pedro Vergara.
65. Telegrama do deputado federal Pedro Vergara informa sobre ordem de votação, um eleitor deve votar em João Carlos e o seguinte em Amorim, assim por diante. Ou seja, a votação era restrita a decisão superior.. POA. Data provável Outubro de 1934. Assina Pedro Vergara.
66. Telegrama do deputado federal Pedro Vergara informa sobre que ressalvas nas eleições podem ser enviadas pelo juiz. POA. Data provável Outubro de 1934. Assina Pedro Vergara.
67. Telegrama do deputado federal Pedro Vergara informa que a lista dos eleitores não é por mesa, mas por município. POA. 9 de Outubro de 1934. Assina Pedro Vergara.
68. Telegrama do deputado federal Pedro Vergara informa que colocação devota em envelopes.. POA. 7 de Outubro de 1934. Assina Pedro Vergara
69. Telegrama do deputado federal Pedro Vergara informa que colocação devota em envelopes.. POA. 7 de Outubro de 1934. Assina Pedro Vergara

70. Telegrama do Secretário do PRL pedindo voto de congratulações para o Deputado. Antonio Carlos. que colocação devota em envelopes.. POA. 7 de Outubro de 1934. Assina Adolpho Peña 9 de setembro de 1935.
71. Telegrama de Flores da Cunha agradecendo congratulações. POA.  25 de outubro de 1935
72. Telegrama de Flores da Cunha informando que lerá em Caxias às 14 horas manifesta ao RGS. POA  .12 de outubro de 1934,
73. Telegrama do padre Jerônimo agradecendo o prefeito pelos estrondos vitoria POA 27 de outubro de 1934 Padres Jerônimo.
74. Telegrama nº 4947 de Flores da Cunha agradecendo comunicação sobre eleições. POA 29 de outubro de 1934.. POA 25 de outubro de 1935 Assina Flores da Cunha
75. Telegrama de Flores da Cunha agradece congratulações.. POA  .21 de setembro  de 1936
76. . Telegrama do deputado federal Pedro Vergara informa que está enviando livros do congresso pelo trem. POA. 31 de Outubro de 1934. Assina Pedro Vergara.
.77.  Telegrama do deputado federal Pedro Vergara pedindo informações do município para o livro do PRL data provável 1934. POA.  Assina Pedro Vergara.
78. Telegrama de Flores da Cunha exigindo comparecimento nas urnas dos membros do PRL Palácio do Governo. s/d . POA data provável 1935.. Assina Flores da Cunha
79. Telegrama de Miguel Muratore cobrando providencias do Prefeito de Nova Trento para receber caravana do PRL. Caxias 1º de outubro de 1933. Assina Miguel Muratore membro da comissão central do PRL
80. Telegrama informando envio de material para as eleições. Poá 7 de outubro de 1934 assina M. Valente Secretaria eleitoral.
81 Fonogramas de Flores da Cunha agradecendo congratulações pela nomeação do prefeito. Governo. s/d . POA data provável 1935.. Assina Flores da Cunha
82. Cópia de memorando de Curra para Procurador regional eleitoral,informando que não houve fraudes nas eleições. 26 de outubro de 1934.
83. Fonograma de Flores da Cunha manifestando satisfação pela eleição de diretório PRL Nova Trento. POA data 17 de janeiro de 1933. Assina Flores da Cunha
. 84. Fonograma de Prefeito de Caxias pedindo 2 carros para transportar membros da caravana do PRL de Caxias para Nova Trento. Caxias 4 de outubro de 1934 assina Prefeito de Caxias.
85 Fonogramas de João Carlos Machado afirmando solidariedade a Flores da Cunha. POA s/d data provável 1934 Assina Dr. João Carlos Machado



 IMAGENS ESPARSAS



































sábado, 24 de maio de 2014

LEMBRANÇAS DE FESTA DA UVA DE 1937




Há Festas de Uva e festas da uva, ou seja, as boas e as más, as maiores e as menores. Uma das grandes festas parece ter sido a 1937. A Comissão organizadora cuidou de tudo ,inclusive de um maravilhoso álbum alusivo ao evento que encanta até hoje. Outra festa perfeita  foi a 1950 cujo álbum alusivo foi junto com o 75º Aniversário da Imigração Italiana,que se tornou fonte indispensável para a história regional. 
É incrível que as festas atuais nunca tenham se preocupado com a permanência e com a lembrança.Isso só se consegue com fontes. Os filmes e as fotos que são necessários  mas é preciso que seja feito algo maior e duradouro, que só as fontes impressas proporcionam. Incrível que nem na Internet (que é o mundo virtual) haja algo de permanente sobre a memória das festas. As coisas dispersas e fugidias geram lembranças truncadas e vazias.


            Voltando a 1937, o Brasil vivia momentos de euforia, pois se julgava que logo a democracia seria restabelecida, afinal estava mudando. Havia uma nova constituição que garantia o voto feminino.Em 10 d e novembro tudo mudaria e nova fase de ditadura seria instalada., com o Estado Novo (1937-1945),mas  no começo daquele ano ninguém poderia imaginar.Dois anos depois seria a vez da Segunda Guerra (1939-45) que iria  se abater sobre o mundo e a região ,mudando as suas  relações dela com o Brasil. Foi muito sério para a Festa da Uva que foi proibida só voltando a ocorrer treze anos depois.O prefeito de então era Dante Marcucci que gozava da confiança tento da população como do governo estadual e federal.


A comissão da Festa  resolveu marcar o evento com uma magnífica publicação. A comissão então chamada de Comissariado era composta pelo que havia de melhor na cidade: Ottoni Mingheli, Joaquim Pedro Lisboa, Adelino Sassi, Emilio Michelon ,Celeste Gobbato e Arthur Rossarola.




As imagens que restaram revelam grande envolvimento da população, pois todas as atividades, desde a exposição até os desfiles se concentravam na Praça Dante. É incrível como as coisas passam ,mesmos as importantes,o que resta são migalhas que os historiadores acumulam e formam outra história.Nada revive o passado,apenas é  recriado diante de indícios. 




Os enormes pavilhões tomaram a  Praça toda, a cidade se reconstruía para a Festa. .As  três  princesas e a rainha Odila Zatti enfeitaram a Festa com sua beleza.Tudo decorreu dentro do esperado com visitantes de todo o Brasil , cuja presença foi registrada em fotos. As imagens que restaram  não são suficientes para revelar  o que foi a Festa que ficou na memória dos antigos como a melhor já havida.
















domingo, 18 de maio de 2014

PORTO ALEGRE REVOLUCIONÁRIA 1931




 A Porto Alegre das  fotos já não existe.

Publicadas no ano seguinte da Revolução de Trinta retrata a  cidade  que deu o pontapé  inicial para a tomada do poder por Vargas

.As fotos foram publicadas no Almanach da Estrella do Sul  de 1931.

Vale a pena verificar



Auditório Araujo Viana  situava-se onde hoje é a Assembleia Legislativa 




quarta-feira, 14 de maio de 2014

CAXIAS REVOLUCIONÁRIA



Passeata em frente a Livraria Rossi (avenida Júlio de Castilhos

Caxias tem sido em geral pacífica e pouco atuante em movimentos de revolucionários. Em 1930, porém adiantou-se e desde o início auxiliou com dinheiro e com ações o golpe de 1930. Muitos foram os empresários que auxiliaram no movimento fornecendo os meios necessários para tomada do poder.
A revista do Globo traz em sua edição especial de 1930 dedicada à revolução algumas imagens inéditas que revelam o entusiasmo da população pelo movimento liderado por Vargas.O mesmo ocorreu com as demais cidades da região Colônia Italiana, foi uma das mais envolvidas pelo movimento,o mesmo ocorrendo com Alfredo Chaves(Veranópolis ).
 Tudo começou em Porto Alegre em 3 de outubro de 1930. Irradiando-se para o  Nordeste e Minas Gerais.Grande parte do Brasil revoltando-se contra São Paulo que com Minas havia garantido a dominação daqueles estados desde a proclamação da República. Vargas ,presidente do Rio Grande do Sul derrotado em 1929  pela força da corrupção a Primeira República  liderou o movimento .Parece mentira que um estado pobre como o gaúcho pode enfrentar a riqueza paulista ,com o café na liderança da economia brasileira.

A marcha do Sul em direção ao Rio de Janeiro por trem foi imbatível.Em poucos dias o Rio foi tomado e com ele o governo da nação.   As imagens da época são fortes nem precisam de texto.




A REVOLUÇÃO TEM INICIO EM PORTO ALEGRE 







MANIFESTAÇÃO NA PRAÇA DANTE 

MENINOS ESPERAM NOTICIAS DA REVOLUÇÃO EM FRENTE AO CINEMA  CENTRAL
CAXIAS











A revolução de 30 em Alfredo Chaves( Veranópolis)


Passeata da vitória em Alfredo Chaves.


Getúlio Vargas o líder do Movimento de

segunda-feira, 12 de maio de 2014

O RIO GRANDE DO SUL NAS VÉSPERAS DA IMIGRAÇÃO ITALIANA



 Em 1873, nas vésperas do inicio da imigração, que teve inicio, quando o Aviso Real de demarcação
 dos lotes das colônias Conde D’Eu e Dona Isabel já havia sido editado por Dom Pedro II, 
em 1870. Joaquim José de Macedo publicou um texto sobre a formação da Província de acordo com o qual já existiam algumas cidades importantes como:  Porto Alegre: cidade e capital da província, que possuía  industrias e  fábricas bem montadas; belos edifícios melhores como o Liceu, o palácio do governo, o paço da Assembléia,  a igreja Nossa Senhora das Dores, um belo teatro, uma  igreja Gótica do Menino Deus, uma casa de  caridade,  e o Arsenal de Guerra e Alfândega .Esta cidade tinha então as ruas bem traçadas e grande  importância mercantil.[1]
Outro porto importante era o da cidade do Rio Grande, que passara por melhorias, sendo o  primeiro entreposto comercial da província  e  sede das relações com o estrangeiro. Possuía  alfândega e bons edifícios. Pelotas  outra cidade situada na Lagoa dos Patos contava com linha diária de vapores que a ligavam ao Rio Grande era  uma das principais povoações. Destacavam-se ainda outras cidades como Jaguarão  assentada na fronteira com Artigas; Bagé- fronteira com o estado do Uruguai; Alegrete margem esquerda do Ibirapuitã; São Gabriel  no rio Vacacai : São Leopoldo cidade moderna na margem do  rio dos Sinos e as de Rio Pardo e Cachoeira situadas ambas  nas margens do rio Jacuí. Caçapava alcantilada sobre uma  elevação era a mais estratégica da província; Uruguaiana na margem do rio Uruguai, fronteira com a Argentina e ainda São Borja no Rio Uruguai  e São  José do Norte vila sobre o canal do Rio Grande. As cidades eram pequenas apesar de algumas serem centenárias. Segundo Macedo eram modernas e progressistas. [2]
Chama atenção o fato de que todas estejam  situadas nas proximidades de rios navegáveis  e duas delas Rio Grande e Porto Alegre constituíam  passagem obrigatória dos imigrantes que começam a chegar em grande levas a partir de 1875. Quando os imigrantes começaram a chegar ao Rio Grande do Sul, a população da Província era de 440 mil habitantes, sendo composta por 360 mil homens  livres e 80 mil escravos.



COLÔNIAS EXISTENTES EM 1873

COLÔNIA
ÁREA: (EM  LÉGUAS
QUADRADAS)
POPULAÇÃO
Santa Cruz
18
4474
Santo Ângelo
4
1436
Nova Petrópolis
15
1420
Mont’Alverne
1 ½
389
Conde d’Eu
16
50
Dona Isabel
16
50
São Feliciano
3 ½
50
Total
64
7869
Fonte[3]


Havia ainda a colônia militar de Caseros, fundada em 1859. E havia 690 gentios localizados em Nonoai,   Passo Fundo e Cruz Alta. A representação nacional era de três  senadores,  seis deputados na assembléia federal e trinta deputados na Assembléia Provincial deputados. Os 566 eleitores estavam divididos entre dois distritos eleitorais que contavam com  39 671 eleitores votantes.[4]
A força pública era composta de 17 comandantes  e 5 batalhões Com 1833 guardas da guarda nacional, e ainda com   duas seções de batalhões infantaria e um de cavalaria e um corpo policial com 356 praças da ativa e 10 da reserva totalizando uma força  23 mil homens.
A instrução na província era composta na Primária pública por 156  aulas do sexo masculino com 4715 alunos e 90 do sexo feminino, com 2878 alunas. Já a instrução Secundária pública contava com três aulas 3 masculinas com 47 alunos 3 femininos com 97 alunas ,  destacando-se o Liceu riograndenses e Escola Normal
A economia provincial  poderia se “igualar e quantidade e exceder em variedade as produções mais ricas do império; porque seu solo fertilíssimo se presta admiravelmente ao cultivo de todas as plantas m que a lavoura explora em outras províncias”[5]
A agricultura que é de pouca monta na campanha, ”floresce com os habitantes das serras pelo vivificante concurso da colonização. “  Cana de açúcar, cevada, centeio, batatas, algodão, cânhamo e fumo. Colhem-se  frutos indígenas  Mas o que o ocupa a  maior parte da população é a pecuária criação de gado em estancias e charqueadas. Havendo exportação de carne, couros e de derivados do gado etc.
A riqueza mineral abre novos e horizontes como o carvão explorado por companhia inglesa nos arroio  dos Ratos e outra da mesma nacionalidade em Candiota. Há outras minas de sulfato de cobre em Quaraí. Possui ainda fábricas de vinhos  tinto e branco nas colônias, diversos, de aguardente d e sabão, de rapé, de charutos, de tecidos e muitas outras. Na época estavam sendo contratadas várias estradas de ferros com companhia a do Rio Grande a Candiota, Santa Catarina, de Porto Alegre a Hamburger Berg. Contava ainda com vários bancos entre eles o  inglês e o  italiano.[6]
     Segundo Alfredo Varela [7]o inicio da indústria fabril rio-grandense deu-se 1794 com a charqueadas. Lança ele as bases para a eterna repetição de que a ferrugem teria liquidado com o trigo e a indústria da carne A ferrugem que a assaltou o s trigos e empobreceu as colheitas, coincidindo com a procura de carnes ao norte do Brasil,pela diminuição dos gados do Ceará ,deu lugar a que a iniciativa Riograndense   habilmente aproveitasse a conjuntura que nos salvava  de uma crise econômica, entregando-se todos com a maior fervor à fabricação de carne-seca. Multiplicaram-se as charqueadas, produzindo em vasta escala.

A exportação gaúcha em 1816 atingiu a 24 878.243 quilos ,crescimento que vinha crescendo desde 125551.080 quilos  No período   da Guerra dos Farrapos(1835-1845) houve uma redução nas exportações ,baixando em 1838 para 2 310 815 quilos, voltando aos níveis de 1816 apenas em 1850. A revolução Farroupilha atrasou a economia regional.  A exportação do charque volta subir com a proclamação da República, após um período de entrave econômico entre 1857 e 1864, quando foi liberada entrada no país do charque uruguaio e argentino, que tinham preços menores devido a melhor tecnologia e mão de obra livre(idem 464). Além do charque eram exportados, graxa, cabelos, chifres, couros, ossos e unha . E ,mais a partir de 1856, passaram a exportar  óleo de mocotó e azeite de égua ..[8]
 Segundo Lígia Gomes Carneiro
 A única referência existente sobre a forma de funcionamento dos curtumes antes da chegada dos imigrantes alemães, diz respeito a um estabelecimento localizado na estância de José Egydio, Barão de Santo Amaro, nas proximidades de Porto Alegre. por volta de 1820, e o relato feito na época dava conta apenas de um técnico francês, o "Sr. Gavet, antigo curtidor em Paris", que seria o responsável pela instalação do curtume. Já na Revista do Archivo Publico, nº 8, de 1922, citavam-se "operários franceses", que trabalhavam sob a orientação do Sr. Gavet. O mais certo é que sob as ordens de operários especializados franceses, trabalhassem escravos de propriedade do dono do curtume. [9],

  Os couros foram exportados em número de 38 mil  nos anos de  1885-86, baixando para 11097 em  média nos anos seguintes ,com república passou-se a produzir lombilhos que entes eram  importados.(p.471) A partir de 1890 foi iniciada a industria da selaria ,com a fabricação de arreios e  de selins em 1892 começou sua exportação.(p.471) Outra industria que teve crescimento foi a dos calçados , três fábricas em Porto Alegre e uma em Pelotas. Da marca Ferry , de qualidade similar à européia. Há ainda os calçados  feitos sob medida em  pequenas oficinas (472)Havia 21 curtumes em Pelotas e seis  na capital, porém a ação de Silveira Martins taxando os produtos inviabilizou o empreendimento que só voltou acrescer com república(463)[10]
Havia um só fábrica de tecidos de algodão e de  aniagem  em Rio Grande em 1890.Em Porto Alegre alegra funcionava a fábrica  Fiação e Tecidos com modernas máquina e a Fabril Portalegrense ,que tecia meias e camisetas. A marcenaria antes inexistente a partir de 1890  a produzir móveis  finos com máquinas modernas além do sem número de pequenas  marcenarias .Havia duas de vidro uma em Porto Alegre e outra em Pelotas (474) .Contava ainda com   fábricas de banha de porco  exportando o produto para o restante do Brasil após 1884.,em 1890 foram exportados cerca de 2 milhões de quilos (p475).Outras fábricas existiam de chapéus de feltro de copa mole, já os de montar eram feitos em chapelarias  de “sela” chamados de cartola , são armados em chapelarias com telas vindas da Europa[11]
   O consumo de cerveja importada reduzia-se em função existência das nove  fábricas nacionais de  Porto Alegre como a Chistofel & Cia ,Becker & Cia e das oito de Pelotas como a de Carlos Ritter & Irmão. E “fabrica-se ainda esta bebida  com especialidade na região colonial” .(476) O vinho era fabricado em Jaguarão ,Bomjardim e colônias de Santa Maria, Pelotas e ilha dos Marinheiros. Em Porto Alegre há três fábricas de vinho artificial, cinco de água gasosa, além de uma de vinho natural, duas de artificial em Pelotas e três de Licores e gasosas.(476)[12]
Há laboratórios farmacêuticos em Rio Grande como a companhia Phamaceutica e Industrial e o laboratório homeopático Souza Soares de Pelotas, o mais popular do Brasil ,em porto Alegre o Leal & Daudt e o de Landell de Moura e o Pasqzier. Exportaram em 1885-1886 19 mil  vidros passando para 58 mil em 1889. O estado carecia de fábricas de queijos e de manteiga apesar do bom queijo serrano feito pelas senhoras [13](p.477)
Segundo  a mesma fonte  há ainda; as seguintes fábricas:
De gravatas; de beneficiar arroz; de bolachas e bolachinhas ,de fundir ferro e cobre; de cofres de ferro; de luvas(duas) e de camisas(duas); de escovas e vassouras(duas0 de beneficiar erva mate, de manteiga, situadas em porto Alegre; de cartonagem em Porto Alegre e Rio Grande e Pelotas ; de barbatanas e botões Porto Alegre e Rio Grande;. de louça de barro uma em Porto Alegre outra em São Leopoldo e três em Pelotas; de malas, cinco na capital e cinco em Pelotas; de beneficiar fumos, duas na capital e cinco em Pelotas .de gelo duas em Porto Alegre  uma em Rio Grande.
Indústrias
Produto
Porto Alegre
Pelotas
Rio Grande
São Leopoldo
Vestuário
Gravatas
 1



camisas
1



tecidos
1



Espartilhos
3
3


malas
5
2


Chapéus de sol
5
1



Luvas
2



Pentes Barbatanas
botões
1

1

Alimentícia
Óleos
1
1


 Beneficiar arroz




Manteiga
1



cerveja




moinhos




Massas alimentícias
1
5


bolachas




Vinagre
1
1


Erva mate
2



manteiga

1



cartonagem
1
1


Uso
Móveis de vime
1
1


Louça de barro
1
3

1
fumo
2
5


Consumo
Sabonetes
2
1


De vassouras
2
3


 guano

1


charutos

1


cartonagens
1
1
1

gelo
2
1


Transporte
Gaiolas
1
1


seges

7


Metalúrgica
De cofres de ferro
1



Fundição de ferro
1



Total
40
48
2
1
Fonte VARELA, Alfredo.Riogrande do Sul .Descrição phisica, histórica e ecoômica.Vol I Pelotas e Porto Alegre: Livraria Universal ,1897 .p. 478

 Não é de estranhar a importância econômica de Pelotas , pois já em m 1835, Wolfgang Harnish descrevia a cidade de Pelotas como um local de opulência extrema: "... já funcionam 35 charqueadas nos arredores da cidade E completa “Esses milionários pelotenses bem que poderiam ter vivido no Rio ou em Nice ou ainda em Paris, poderiam ter concorrido com os fidalgos russos no luxo e na dissipação de Monte Carlo".[14]



Durante a Revolução Farroupilha as importações exportações não foram interrompidas ,ficando  uma média de 2 milhões de contos de réis nas exportações e 2 600 milhões nas importações, cifras superiores ao período da época da emancipação política que atingiu no período de 1816a 1818 foi de 18844 milhões  na exportação e 1028 milhões a importação.
Assim na época da revolução se importou mais do que nas épocas de paz.







[1]     MACEDO, Joaquim M. de. Corografia do Brasil. Rio de Janeiro ,1873p. 322
[2]     Idem p.316
[3]     Idem p.389
[4]     Idem p.317
[5]     idemp.14
[6]     Idem 316
[7]     VARELA, Alfredo.Riogrande do Sul .Descrição phisica, histórica e ecoômica.Vol I Pelotas eProto Alegre: Livraria Universal ,1897 p.261
[8]     VARELA, Alfredo.Riogrande do Sul .Descrição phisica, histórica e ecoômica.Vol I Pelotas eProto Alegre: Livraria Universal ,1897 .p264 270
        [8] 
[9]     Por: Lígia Gomes Carneiro, em "Trabalhando o couro - Do serigote ao calçado 'made in Brazil'" - Editora L&PM, 1986)
[10]   VARELA, Alfredo.Riogrande do Sul .Descrição phisica, histórica e ecoômica.Vol I Pelotas eProto Alegre: Livraria Universal ,1897 p.261
        [10] VARELA, Alfredo.Riogrande do Sul .Descrição phisica, histórica e ecoômica.Vol I Pelotas eProto Alegre: Livraria Universal ,1897 .p.270-284
        [10]

[11]   VARELA, Alfredo.Riogrande do Sul .Descrição phisica, histórica e ecoômica.Vol I Pelotas eProto Alegre: Livraria Universal ,1897 p.274
[12]   VARELA, Alfredo.Riogrande do Sul .Descrição phisica, histórica e ecoômica.Vol I Pelotas /Porto Alegre: Livraria Universal ,1897 .p.276


[13]   VARELA, Alfredo.Riogrande do Sul .Descrição phisica, histórica e ecoômica.Vol I Pelotas /Porto Alegre: Livraria Universal ,1897 .p.276


[14]   http://www.riogrande.com.br/historia/temas_charqueadas.htm