quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

NOVA TRENTO: A HISTÓRIA DO GALO

      A comunidade de Nova Trento desenvolveu-se, apesar do ônus da dívida pela emancipação . Houve  festas pelo aniversário da libertação  comemorada com a construção de um obelisco,desfile com banda e  muito discursos.. 
           O  Presidente do Estado Borges de Medeiros  havia resolvido com as lideranças municipais de Caxias negociar a dívida de Nova Trento. Assim o municipio, conseguiu aos poucos pagar pela sua liberdade, no fim do mandato do Intendente Joaquim Mascarello ela já estava praticamente paga.  
          Muitos dão  a história do galo  como verdadeira., sobre ela correm  várias versões.  No contexto do processo da emancipação deve ser procurada a origem da História do Galo, com suas várias versões é simples.Pode ser contada como conto infantil.
            Era um vez uma pequena vila,que vivia sua vida simples e cheia de trabalho. Até que um dia  chegou  um mágico que prometeu um milagre.Pelo alto falante prometeu cortar o pescoço de um galo e depois colá-lo,ficando  ainda vivo!.
               Chegou a hora  do espetáculo. O  juiz e o delegado como voluntários   subiram ao palco e seguraram o bípede,um pelos pés o outro pelo pescoço.O mágico de um golpe cortou o pescoço do galo.  Nesse instante, falta  luz(ou não). O mágico tratante fugiu com a féria e o pessoal ficou esperando o milagre, que não aconteceu.O logro pegou a todos. Logo o lugar começou a ser chamado de Terra do Galo, motivo de chacota geral.       


Festa do primeiro aniversário  da emancipação Nova Trento ,1925.
 
                  
            A chacota ,nada mais é do que um  estigma,ou seja, de uma questão de dominação  tipicamente regional. Bourdieu ao tratar da questão do estigma,observa que ele   surge  do poder de um  grupo sobre outro.Fato interessante  ele trata   do estigma  no conceito de região. Na verdade nele esta pressuposto a dominação  .   Parece ser o caso do estigma dos negros acusados de  preguiçosos pelos brancos que os  exploraram , por séculos.Ou ainda o  do movimento dos  Sem Terra ,cujos participantes são  taxados de preguiçosos, de bandidos e fora da lei . Estigma ,nesse caso criado pela midia    
                         Mas, voltando a história do galo, alguns detalhes são importantes: em nenhuma versão há os  nomes dos envolvidos, nem dos enganados ,nem do enganador.Não há datas, só o  local. A história é tão  vaga, que parece  uma lenda urbana! A única coisa presente é o teatro,na verdade cibema e salão paroquial em 1924. Já em 1934 havia  sido construído o cinema.
              Durante décadas o estigma perdurou. Para incomodar um florense  era só dizer-"Ah! então és da Terra do Galo?" Como para incomodar um caxiense bastava dizer.-" Ès de Caxias? A tera do sá com bolaça?"(A terra do chá com bolacha?) Aludindo a inefável pronúncia que marcava toda a chamada "colônia italiana".
          No fim da década de sessenta surgiu uma marca de whisky chamado Red Cock ,pouco depois foi aberto um  execelente restaurante  O Galo Vermelho e, mais tarde,  a Pousada do Galo Vermelho.Iniciativas do empresário  Eloy Kunz.
           O tempo que tudo apaga foi apagando o estigma. Aos poucos as novas gerações não viam na imagem do galo qualquer tipo de opróbio. O estigma morreu ,nasceu o símbolo
 
             Hoje  Nova Trento é Flores da Cunha e  a marca do estigma se tornou símbolo da cidade. O estigma assim , foi superado 

  


Velho costume  da região ,conhecida outrora como trotoir.
Foto do livro  Heitor Curra-Um cidadão Florense, de Lourdes Curra e Evandro L de Oliveira
                
        .
 


Primeira Intendencia de Nova Trento,1924.
 
 
Pórtico atual de Flores da Cunha ,com o galo como símbolo

                    

Nenhum comentário:

Postar um comentário